domingo, 21 de março de 2010

Castro - como foi

Na oficina onde predominavam as professoras das escolas municipais. Foto de Ana Barrios.

Palestra no Teatro Bento Mossurunga. Foto Karina Marques.



Alunos da oficina sobre Leminski. Na primeira fila, os amigos Ana Barrios (fotógrafa), Jaime Lechinski e Leila Pugnaloni, de Curitiba. Foto Karina Marques.



Primeira consideração a respeito da viagem: Castro, a 160 km de Curitiba, é uma cidade mimosa, graciosa, dengosa... Traz na sua história uma saga de etnias múltiplas, formada por holandeses, alemães e italianos... Estava na rota dos tropeiros. Tudo com muita ordem e progresso.


A idéia de agora nasceu da artista plástica Karina Marques (da Secretaria de Cultura) que certo dia acordou predisposta a homenagear a poesia de Paulo Leminski, o Polaco. E pôs-se a trabalhar neste sentido, comprometendo prefeito, secretário, biógrafo, alunos, professoras, amigos...
Tudo aconteceu na semana em que Castro – considerada a cidade mãe do Paraná – comemorava 306 anos de existência. (Enquanto Curitiba ainda era uma comarca de SP, Castro seria a primeira cidade do novo Estado).


O evento foi um sucesso que atraiu até mesmo pessoas (sensíveis) das cidades vizinhas, Ponta Grossa e Carambeí, que compareceram com seus poetas e agentes (informais) de cultura.
De minha parte, fiz uma palestra matinal no histórico Teatro Bento Mossurunga, na praça central, para cerca de cem pessoas interessadas no assunto. Participação especial do ator Ariano na leitura de poemas de P. Leminski.

À tarde, na Oficina que investigava as raízes culturais e literária do poeta do Pilarzinho, havia 43 alunos na sala de aula do antigo colégio Vicente Machado, atual Secretaria de Cultura. Durante três horas fizemos uma devassa no Paideuma leminskiano.


À noite, no restaurante Morro do Cristo, um encontro lúdico em torno dos meus livros e de pratos típicos da região, a culinária do tropeiro.

Ainda tivemos tempo suficiente para conhecer a fabulosa gráfica (na verdade, um museu) de Carlito Kluger, quase artesanal, com eficientes rotativas alemãs das indústrias Heidelberg – algumas do século 18.
Castro, às margens do rio Yapó, nos belos Campos Geraes, foi mais uma raiz descortinada da minha história ancestral. E além.



Toninho Vaz, de volta a Santa Teresa

16 comentários:

Leila Pugnaloni disse...

Amém, Toninho!bj

vermelho disse...

Toninho, bravo conterraneo!..Belo texto sobre Castro que, eu não sabia, é considerada a mãe do nosso querido Paraná. Vc escreve tão bem meu amigo que, num curto texto de blog, eu me sentí naquelas salas participando da palestra/oficina, etc.
Parabens!

Toninho Vaz disse...

Tanks, Vermelho... Voce sabe muito bem como a paisagem eh bonita nos Campos Geraes... onde o verde eh mais verde.

Leila, amem.

Valéria Martins disse...

Que maravilha, Toninho! Casa lotada, todo mundo atento. Parabéns!

Myka Castro disse...

Assisti a palestra no teatro e sai ainda mais encantanda pelas obras do Paulo Leminski.
Nossa cidade merecia conhecer mais sobre esse gênio que por sinal já fez uma parada significatória em nossa cidade.
Foi experiência enesquecivel.

Toninho Vaz disse...

A Mika disse coisas bonitas na comunidade Leminski do orkut... sobre o poeta e sobre a minha palestra...Fez bem ouvir...rs...

tanks, Mika

Toninho Vaz disse...

Sorry, Myka com y. Alterar a forma sem alterar o conteudo....rs

Leila Pugnaloni disse...

Ei, Toninho...
Trabalhar a assim é que é bom...em frente...bj

contato disse...

Toninho,
A sua passagem por Castro foi um marco positivo na nossa história. Concordo com a Mika,"Nossa cidade merecia conhecer mais sobre esse gênio..." Paulo Leminski.
Agradeço a tua disposição e a bela poesia ...na brisa de março, 306 anos em Castro. Inesquesível!
Bj
Karina Marques Canha

Toninho Vaz disse...

Grande, Karina, voces de Castro fizeram tudo certo...Atingimos o nosso objetivo e a Myka foi um exemplo claro do sucesso do evento. E o Paulo Leminski, o nosso maior poeta, bem que merecia...

abc em todos

Leila Pugnaloni disse...

Lindo, amigos.Parabéns a todos...bj

ARIANO ELON disse...

Ter participado deste evento em nossa cidade foi um marco em minha carreira e por que não em minha vida.
Conhecer a história deste gênio de nossa arte e cultura é fator obrigatório para nós paranaenses.
Parabéns Toninho.
Ariano Elon

Toninho Vaz disse...

Lembrando: o Ariano foi o ator convidado a ler poemas do Leminski durante a palestra no Teatro Bento Mossurunga... À tarde, ele participou também da Oficina. Na foto da Karina, ele aparece na primeira fila, à direita, de caneta na mão.

abc

L. Rafael Nolli disse...

Toninho, pelas fotos e pelo teu poema, deu pra sentir o ambiente aconchegante, o clima agradável dessa terra onde o verde é mais verde. rs*
Li, pela segunda vez, o "bandido..." é uma obra admirável, delicioso de se ler. Abraços.

fernanda, disse...

Ai como eu queria assistir uma palestra sobre o Leminski. Pena que foi tão longe. Um dia eu vou! Parabéns, beijos.

Toninho Vaz disse...

Fernanda, em que cidade você está?? Posso saber? Isso porque em maio vou fazer mais três palestras sobre o Leminski em cidades diferentes... Quem sabe?

abc toninho